terça-feira, 8 de julho de 2008

"Gomorra"

Gomorra, de Roberto Saviano, é um relato impressionante sobre o poder empresarial e as práticas criminosas da Camorra napolitana. Num registo documental, Saviano desvenda as novas lógicas e as novas dinâmicas do crime organizado, da sua estrutura e das suas ramificações, descrevendo os investimentos, legais e ilegais, nos mais variados sectores – recolha e tratamento de lixos, construção civil, empresas de saneamento, venda a retalho, produção têxtil, importação e exportação de electrodomésticos e outros bens de consumo, etc. Tudo isto faz parte de uma nova face da economia do crime, das novas fontes de rendimento que o alimentam e perpetuam.
Mas Gomorra é também a história de homens marcados por um lugar, “um lugar onde o mal se torna todo o mal e o bem todo o bem”, como se aí só fosse possível escolher um de dois caminhos: para o céu ou para o inferno, sem espaço para hesitações, nem zonas cinzentas. Nápoles é uma cidade que se deixa estigmatizar pelo “Sistema”, uma cidade que se fecha sobre si própria, apesar de ter um dos portos mais movimentados do mundo. Nápoles é uma pústula a apodrecer ao Sol, aparentemente sem salvação possível. “ (…) levantou-se de manhã cedo e foi ao lugar onde tinha estado na presença do Senhor. Voltando os olhos para o lado de Sodoma e Gomorra e para a extensão do vale, viu elevar-se da terra um fumo semelhante ao fumo de uma fornalha.” (Génesis 19, 27)

Maria Teresa Loureiro
In: Revista LER, Julho 2008

1 comentário:

Paulo Gonçalves Marcos disse...

Tinha lido na revista Ler.
Agora descobri o IBIS.
Parabéns.